LIVRO EM HTML

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Danaus gilippus.



Danaus gilippus é uma Borboleta do gênero Danaus, conhecida como Rainha, é encontrada 

desde a América do Sul até na metade sul da América do Norte.

A borboleta Danaus gilippus, assim como sua prima mais conhecida e famosa a  borboleta-monarca (Danaus plexippus) começa a sua vida como um ovo do tamanho da cabeça de um alfinete que é posto por uma fêmea adulta numa folha de plantas do gênero , Asclepias spp.

Lagartas mantidas em gaiolas com duas espécies de plantas do gênero Asclepias.


Lagartas de Danaus gilippus,  último ínstar.


Lagarta de Danaus gilippus,  último ínstar.


Lagarta de Danaus gilippus,  último ínstar.


Lagarta de Danaus gilippus,  último ínstar.


Lagarta de Danaus gilippus,  último ínstar.



Lagartas de Danaus gilippus,  último ínstar.




As listras amarelas da D. gilippus , não está presente na D. plexippus

Lagarta de Danaus plexippus,  último ínstar.


Nesta ultima foto é de uma lagarta de (Borboleta MONARCA). São poucas as diferenças tanto na lagarta como no adulto. Sugiro que olhem em uma postagem mais antiga onde falei apenas sobre ela em: 



ÍNSTARUm ínstar é um estágio larval  de alguns artrópodes holometábolos, atingido após uma muda ou ecdise.



sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

ECOLOGIA DE BORBOLETAS MORPHO


Morpho
Borboletas Morpho habitam unicamente a região Neotropical, formada pela América do Sul, América Central, Caribe, sul do México, parte da Califórnia e o sul da Flórida. É uma borboleta que pertence a família Nymphalidae, subfamília Morphinae e que inclui 3 tribos; Amathusiinicom cerca de 15 gêneros; a Tribo Brassolini com cerca de 19 gêneros, e a Tribo Morphini. Esta tribo contém apenas 3 gêneros; Antirrhea (com cerca de 11 espécies), Caerois (com duas espécies) e Morpho com cerca de 29 espécies e 147 subespécies. São borboletas que são encontradas com mais frequência na América do Sul, e México. As Morphos tem uma envergadura no mínimo 7,5 cm, embora haja registros da espécie Morpho rhodopteron com 20 cm (Young, 1971).
Pupae
A maioria das borboletas do gênero Morpho são de coloração metálica cintilante com tons de azul, violeta e verde. Essa coloração pode se dar de duas formas, que demonstram a diferença de dois principais clados dentro do grupo do gênero. No clado Marcus, formado pelas borboletas Morpho marcus e Morpho eugenia a iridescência ocorre pela sobreposição de escamas. Nas outras linhagens ocorre pela especialização de microestruturas na superfície dorsal das asas que promove iridescência (Blandin & Purser, 2013). Estas cores não são o resultado de pigmentação, mas sim da reflexão da luz promovida pelas escamas levando a efeitos que dependem tanto de comprimento de onda e ângulo de incidência. Assim, as cores produzidas variam com ângulo de visão, no entanto, são surpreendentemente uniformes, devido ao arranjo estrutural tetraédrico das escamas ou pela difração das camadas de células sobrepostas. Esta estrutura pode ser comparada a um cristal fotônico.
Escamas
Escamas
A estrutura lamelar de suas escalas da asa tem sido estudada como um modelo para o desenvolvimento de tecidos biomiméticos, tintas sem corantes e até tecnologia anti-falsificação de dinheiro. O lado ventral é decorada com manchas ocelares de aspecto amarronzado e em algumas espécies há detalhes brancos. Em algumas espécies, como a M. godarti, as lamelas dorsais são tão finas que é possível visualizar as manchas ocelares a partir da face ventral. Embora nem todas as Morphos tenham coloração iridescente, todas têm ocelos. Na maioria das espécies apenas os machos são coloridos, apoiando a teoria de que a coloração é usada para comunicação intrassexual entre machos, ou dicromatismo sexual. As lamelas refletem cerca de 70 % da luz que incide sobre eles, incluindo qualquer ultravioleta. Os olhos de borboletas Morpho são altamente sensíveis à luz UV e, portanto, os machos são capazes de ver uns aos outros a grandes distâncias. Algumas espécies da América do Sul são visíveis ao olho humano até um quilômetro de distância (Vukusic et al, 1999). A coloração conspícua pode ser um caso de mimetismo mülleriano, ou pode ser “aposematismo de perseguição”. As asas azuis de borboletas Morpho são enormes em relação ao tamanho do seu corpo, resultando em um voo lento, criando um padrão de vôo específico, saltitante. O efeito é que o azul brilhante piscante como um farol devido ao bater das asas. Isso torna difícil um pássaro acompanhar seu vôo. Se atacada em voo, o padrão lento muda instantaneamente em manobras de mergulho evasivas, pousando com as asas fechadas em um substrato escuro.
Do ponto de vista tecnológico, um estudo feito com escamas iridescentes de borboletaMorpho sulkowskyi mostram uma resposta óptica diferente para diferentes vapores individuais, e esta resposta óptica supera significativamente resposta dada por sensores fotônicos criados pela nano-engenharia. Os espectros de refletância das escamas fornecem informação sobre a natureza e concentração dos vapores, permitindo a identificação de uma variedade de estreitamente relacionada vapores de água, metanol, etanol e isômeros de dicloroetileno quando são analisados ​​individualmente (Radislav et al, 2007)
FIlogenia
FIlogenia mais aceita 2013 (Clique para ampliar)
Em algumas espécies (M. adonisM. eugeniaM. aegaM. cypris e M. Rhetenor) apenas os machos são azul iridescentes, as fêmeas são de cor marrom e amareladas. Em outras espécies (M. anaxibiaM. godartiM. didiusM. amathonte e M. deidamia) as fêmeas são parcialmente iridescentes, porém, bem menos do que os machos.
Morphos são territoriais, disputam áreas alagadas ou trechos de riachos dentro da mata fechada. Vive em florestas úmidas, ou chuvosas. Sua origem e evolução ainda é debatida no meio acadêmico embora já se saiba que sua origem é acompanhada da formação Andina, na qual apresenta maior diversidade de espécies. Segundo a hipótese mais aceita, sua origem teria sido entre 55 e 30 milhões de anos e sua taxa de diversidade aumentou conforme foi se consolidando acompanhando a geodinâmica dos Andes e a expansão e refugio da floresta Amazônia ainda no Pleistoceno (Blandin & Purser, 2013). Um estudo liderado por Penz et al (2012) compilou dados morfológicos, de coloração, caracteres comportamentais e seqüência de DNA para oito marcadores (um mitocondrial e sete nuclear) para reavaliar as relações filogenéticas e estimar os tempos de divergência do grupo. Morpho tem origem monofilética e o estudo mostrou uma divergência precoce entre M. marcus e sua espécie irmã M. eugenia. As análises dos dados combinados indicam que Morpho é composto por quatro subtipos, cada um dos quais inclui uma ou mais subgêneros. Sendo assim, o ancestral de Morpho provavelmente
surgiu durante o Oligoceno, mas a taxa de diversificação parece ter ocorrido durante o final do Mioceno. Análises estatísticas sugerem que região leste Andina leste como a área ancestral para Morpho, e que a Mata Atlântica do Sul da América foi colonizada várias vezes.
Ovo
Ovo
As larvas de Morpho se alimentam de grupos de plantas hospedeiras especificas, as mais comuns são: Leguminosae, Gramineae, Canellaceae, Guttiferae, Erythroxylaceae, Myrtaceae, Moraceae, Lauraceae, Sapindaceae, Rhamnaceae, Euphorbiaceae, Musaceae, Palmae, Menispermaceae, Tiliaceae, Bignoniaceae e Menispermaceae. Em várias espécies de Morpho as lagartas tem comportamento gregário, sugerindo fortemente que os ovos são colocados em conjuntos. As larvas têm glândulas eversíveis no tórax que emitem um odor forte como uma defesa contra predadores. As pupas são verdes pálidas e ficam suspensas a partir de uma haste ou folha na planta hospedeira. As lagartas adultas são grandes e com cabeça grande. Seus corpos contem linhas longitudinais finas de vermelho brilhante, amarela e preta. São cobertas com cabelos marrons finos que são adornados perto da cabeça, da cauda ​​e no meio das costas.
Esquerda) Morpho peleides; centro) M. hercules; direita) M. epistrophus
Esquerda) Morpho peleides; centro) M. hercules; direita) M. epistrophus
Estudos encontraram mudanças significativas na forma de asa relacionado a transição de voo para dossel apenas em machos, e nenhuma mudança no tamanho para ambos os sexos. Um segundo grupo de Morphos que tem preferência por voos no dossel sugere que outros fatores podem também estar envolvidos na evolução da forma da asa. Os estudos ainda reforçam a hipótese de que a seleção natural age de forma diferente no formato das asas de machos e fêmeas, e indicam que a transição para a copa das arvores por si só não pode explicar a diversidade de formas de asa em Morpho, sugerindo outros mecanismos evolutivos. Este estudo fornece um ponto de partida para caracterizar a evolução da morfologia da asa de borboletas florestais no contexto da seleção de habitat e comportamento de vôo. Além disso, essas observações sugerem que a capacidade de explorar dossel e sub-bosque de espécies em outros insetos podem ajudar a entender os efeitos de sua destruição no habitat e compreender melhor a diversidade biológica (Devries PJ et al , 2010 )
Segue abaixo uma breve descrição sobre cada espécie de Morpho.
Morpho absoloni
Morpho absoloni (E. May, 1924)
Morpho absoloni (E. May, 1924)
Tem uma envergadura de cerca de 10 cm. A face dorsal da asa dos machos é azul metálico. Há uma marca negra no ápice das asas que têm uma borda externa côncava. A parte de baixo é marrom com uma linha de ocelos (May, 1924).
Ocorrência: Brasil e Peru.
Morpho achilles
Morpho achilles (Linnaeus, 1758)
Morpho achilles (Linnaeus, 1758)
Espécie bastante difundida com 8 subespécies identificadas. Esta espécie está restrita a floresta tropical com altitudes entre 0-1000m. Os ovos, como a maioria das outras espécies deMorpho são em forma de cúpula e verde pálido com um anel avermelhado estreito perto do topo. Machos de M achilles patrulham o local onde vivem, geralmente rios e córregos, sempre procurando por fêmeas. Eles são mais ativos no período da manhã, e passam a maior parte da tarde se alimentando de seiva de árvores, frutas podres ou ficam sentados imóveis em locais escuros da floresta. As fêmeas, que são reconhecíveis pelas fronteiras escuras mais amplas sobrea face dorsal da asa, são vistas com muito menos freqüência.
Ambos os sexos fechar suas asas imediatamente após o pouso. Este comportamento é mais pronunciado em sexo masculino, que podem abrir as asas demonstrando seu padrão de coloração e ficar “pulando” sobre no chão buscando minerais dissolvidos.
Ocorrência: Brasil, Suriname, Guiana, Peru, Equador, Colômbia, Venezuela, Argentina, Bolívia e Paraguai.
Morpho aega
Morpho aega (Hubner ,1822)
Morpho aega (Hubner ,1822)
Uma das espécies mais conhecidas, mostra faixa relativamente estreita de distribuição. O nome aega provavelmente veio do estado do Rio de Janeiro, embora de acordo com von Bönninghausen a espécie não ocorre na própria cidade de Rio de Janeiro, apenas no norte-oeste da cidade, e provavelmente é distribuído até Santa Catarina. A fêmea tem coloração mais escura, as manchas transcelulares menores da asa anterior e os muito maiores nas porções submarginais da asa posterior. Na Argentina, se restringem a floresta primitivas nas encostas orientais dos Andes (Fruhstorfe, 1913)
Ocorrência: Brasil, Argentina e Paraguai.
Morpho amathonte
Morpho amathonte (Deyrolle, 1860)
Morpho amathonte (Deyrolle, 1860)
É considerado por alguns autores uma subespécie de Morpho menelaus.  O gênero Morpho é palatável, mas algumas espécies (como M. amathonte) são muito boas voando, fugindo de aves, mesmo daquelas especializadas para a captura de borboletas.
Morpho amathonte tem uma envergadura de cerca de 10 a 15 cm e apresenta dimorfismo sexual evidente, que diferencia os machos das fêmeas. A cor básica nos machos é azul metálico brilhante. Nas fêmeas as superfícies superiores das asas são parcialmente azuis e tem uma grande margem escura acinzentada, ou marrom, decorada com pequenas manchas brancas que corre ao longo da borda externa de ambas as asas (Young, 1971).
Ocorrência: Panamá, Costa Rica, Venezuela, Colômbia e Equador.
Morpho amphitryon
Morpho amphitryon (Staudinger, 1887 )
Morpho amphitryon (Staudinger, 1887 )
Tem uma envergadura de 15cm. A parte superior das asas é de cor cinza metálico embelezado por uma fileira de submarginal. A borda branca externa da asa anterior é côncava. Machos também ocorrem com a superfície superior repleta de azul. Vive em altitudes de 700 a 2000 metros (Fruhstorfe, 1913).
Ocorrência: vivem em florestas montanhosas Andinas, Perus.
Morpho anaxibia
Morpho anaxibia (Esper, 1801)
Morpho anaxibia (Esper, 1801)
pode ser considerada uma espécie característica da região sul e Sudeste do Brasil. Individuos vivem geralmente sozinhos, alguns pesquisadores acreditam que ela forme uma transição deM. rhetenor ao grupo onde esta a M. menelaus, e M. anaxibia, no entanto, não tem o maravilhoso brilho da série Rhetenor, sendo seu azul mais maçante, embora tenha a sua própria beleza particular. O macho se assemelha a M. rhetenor na superfície inferior das asas, e a fêmea revela-se mais próxima ao grupo de M. menelaus. Tem manchas ocelares de 2 a 4 cm. A superfície inferior da asa das fêmeas é mais diversificada, marcada com bandas largas ziguezague cinza ligeiramente. A lagarta se alimenta de plantas Myrtaceae, sua cabeça apresenta dois tubérculos laterais, projetando com cerdas longas. (Fruhstorfe, 1913). Sob os raios de sol, suas escamas tem uns reflexos malva e violeta, que chamaram a atenção dos antigos índios. Estas Borboletas para eles eram sagradas, pois pensavam que procediam do céu, e que por isto se revestiam das cores da aurora e do crepúsculo.
Ocorrência: Centro e Sudeste brasileiro.
Morpho athena
Morpho athena (Otero, 1966)
Morpho athena (Otero, 1966)
Pode atingir até 14, 5 centímetros. Vive em regiões de altitudes superiores a 1500 metros. Costumam ser mais vistas nos meses de fevereiro, março e abril. Quando adulta, a borboleta se alimenta de frutos bem maduros, em fermentação. A fêmea, em geral, é guiada pelo cheiro de plantas como o ingazeiro, para pôr os ovos na parte superior de folhas que recebam luz e sombra. As lagartas são avermelhadas e vivem agrupadas, imóveis, na ponta dos galhos e se alimentam durante a noite. Os ovos podem ser atacados por fungos ou ser levados pela chuva. Esta ameaçada de extinção pela destruição do habitat.
Ocorrência: Brasil.
Morpho aurora
Morpho aurora (Westwood, 1851)
Morpho aurora (Westwood, 1851)
Se semelhança com M. portis na forma das asas e da disposição dos pontos distais negros. Superfície superior da asa é azul, sendo que na porção distal da asa vai escurecendo seus brilho. Tem um brilho de madre-pérola, sendo a área basal roxa. As manchas ocelares são fortemente cercadas de preto. Na asa anterior pode haver quatro ou cinco manchas ocelares, na parte posterior sempre quatro ocelos, um apical que ás vezes é dobrado. Voam em altitudes de cerca de 2600 m.
Ocorrência: Bolívia e Peru.
Morpho catenarius
Morpho catenarius (Perry, 1811)
Morpho catenarius (Perry, 1811)
Popularmente chamada de borboleta-da-coronilha, que é o nome popular de uma árvore pequena cujo nome cientifico é Scutia buxifolia, suas lagartas se alimentam das folhas dessa árvore. Pode se alimentar do ingazeiro ou de da folha de coca Acacia longifolia
Ocorrência: Brasil, especialmente São Paulo, Minhas gerais e Rio Grande do Sul.
Morpho cisseis
Morpho cisseis (C. and R. Felder, 1860)
Morpho cisseis (C. and R. Felder, 1860)
Inclui várias subespécies, embora M. cisseis muitas vezes tenha sido tratada como uma subespécie de outras espécies de Morpho. São altamente valorizados pelos colecionadores. É um animal que pode chegar medir de 14 a 18 cm. A face superior é azul acinzentado e verde, a borda externa é em grande parte limitada por faixa preta e larga que se estende por dois terços das asas anteriores. O inverso é cor de cobre decorado, três manchas ocelares nas asas dianteiras e mais três manchas ocelares pequenas nas asas traseiras (Fruhstorfe, 1913).
Ocorrência: Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador e Peru.
Morpho cypris
Morpho cypris (Westwood, 1851)
Morpho cypris (Westwood, 1851)
M. cypris se assemelha a M. rhetenor na Colômbia e na América Central mas na anatomia mostram diferenças essenciais, M. cypris é mantida separada por conta da forma arredondada da asa anterior. Morpho cypris e M. helena ofuscam outros Morphinaes em seu brilho incomparáveis, especialmente M. cypris. Quando a luz bate no animal mostra um tom mais violeta ou mais esverdeado com uma faixa branca delicada um tom amarelado (Fruhstorfe, 1913).
Ocorrência: Panamá, Costa Rica, Nicarágua, Colômbia, Trinidad e Tobago e Equador.
Morpho deidamia
Morpho deidamia (Hübner, 1819)
Morpho deidamia (Hübner, 1819)
Morpho deidamia é uma espécie difundida. Está adaptada para se reproduzir em uma grande variedade de habitats florestais, ocorrendo, por exemplo, nas florestas deciduais secas da Nicarágua, mas é muito mais frequentemente encontrada em floresta primária. Ela é encontrada em altitudes entre 0- 1400m . Os machos patrulham cursos de córregos e rios. Nas tardes ensolaradas e quentes, às vezes, pode ser encontrada absorvendo minerais do solo úmido, ou a partir do solo contaminado com urina. Se perturbado eles tendem a voar uma distância curta e entra na folhagem de uma árvore próxima ou arbusto, mas, muitas vezes, voltar a se alimentar depois de sentir o perigo já passou. As fêmeas são vistos muito menos freqüência. Ambos os sexos fechar suas asas imediatamente após o pouso
Ocorrência: Brasil, Equador, Peru, Colômbia, Bolívia, Suriname, Costa Rica, Nicarágua e Panamá.
Morpho didius
Morpho didius (Hopffer, 1874)
Morpho didius (Hopffer, 1874)
Espécie que pode chegar a 15 cm de envergadura. Morpho didius tem um azul elétrico brilhante. As bordas de suas asas são pretas. Algumas possuem manchas brancas nas regiões pretas. A parte de baixo das asas da é marrom e cinza, com manchas ocelares, padrões que se parecem com olhos de animais. As cores na parte de cima e debaixo das asas permitem que ela engane seus predadores, fazendo com que ela pareça maior do que realmente é, ou com que se misture com o céu quando bate as asas. Seu corpo é preto e, como todas as borboletas, tem seis pernas e um conjunto de antenas. Vivem em áreas de florestas tropicais, vivem próximas ao chão, em busca de alimento, mineralizando os sais da lama ou urina de animais. Elas ocasionalmente voam para o topo das árvores e pousam em locais ensolarados.
As Morpho didius também usam sensores especiais, em suas pernas, para provar a comida. Elas comem uma grande variedade de alimentos líquidos, como frutas podres, matérias animais em decomposição, lama, seiva e fungos. M. didius vivem apenas 115 dias. Elas saem de um ovo como uma lagarta avermelhada. A pupa forma uma crisálida que lentamente se transforma em uma borboleta adulta. Ela, então, passa o resto da vida comendo e acasalando, iniciando o ciclo novamente para a geração de novas borboletas.
Ocorrência: Peru, e talvez Equador e America Central e Sul.
Morpho epistrophus
Morpho epistrophus (Fabricius, 1796)
Morpho epistrophus (Fabricius, 1796)
A espécie ocorre na zona da mata do nordeste (Pernambuco, Paraíba e Alagoas) em altitudes de 0 a 600 m. Comum no passado, as populações vêm sendo eliminadas por desmatamento intenso e fragmentação de hábitat, produzindo uma paisagem retalhada onde os recursos são escassos (Freitas; Brown Jr., 2008).
Ocorrência: Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.
Morpho eugenia
Morpho eugenia (Deyrolle, 1860)
Morpho eugenia (Deyrolle, 1860)
Os machos se assemelham a M. aega, mas seu azul é mais suave. A asa anterior possui dois pontos brancos costais e com uma borda preta no ápice. Pouco se sabe sobre esta espécie.
Ocorrência: Guiana francesa
Morpho granadensis
Morpho granadensis (Felder and Felder, 1867)
Morpho granadensis (Felder and Felder, 1867)
Várias subespécies e várias formas foram descritas. É considerado, por alguns autores uma subespécie de Morpho deidamia.
Ocorrência: no Panamá, Nicarágua, Colômbia, Equador e Venezuela.
Morpho godarti
Morpho godarti (Guérin-Méneville, 1844)
Morpho godarti (Guérin-Méneville, 1844)
É essencialmente semelhante a M. didius, exceto pela sua coloração azul ser um pouco menos metálica. A coloração é mais leve e mais delicada na aparência. Morpho godarti tem ciclos de vida longos, entre 184 e 215 dias. As fêmeas de M. godarti depositam seus ovos na parte inferior das folhas de Inga semialata e Inga Ormosia (Fabaceae). Os ovos depositados na Inga semialata são encontrados á pelo menos 3 metros do chão, e em Ormosia eles são encontrados um metro do chão. Em raras ocasiões, as fêmeas ovipositam na superfície superior da folha. As fêmeas podem depositar entre 15 e 65 ovos coloridos verdes, que tornam marrom conforme eles se aproximam incubção, que leva 16-20 dias. As larvas são gregárias, e saem em grupos que ficam menores à medida que amadurecem, até a fase de pupa. Como as larvas passam por cinco estádios, com duração de 140-167 dias, elas mudam as cores, padrões e tamanho ao longo de cada estádio. Tornar-se uma pupa leva 3 dias, e no final de seu 5 º instar eles continuam a ser uma pupa por aproximadamente 23-35 dias. Como adultos, eles lentamente voam na canópia e dossel da floresta, ficando ativos no período da manha e crepúsculo. Eles são predados pela ave udu-de-coroa-azul (Momotus momota), que curiosamente tem uma crista azul brilhante com um tom muito parecido com as asas de M. godarti. É possível que isso seja uma estrutura que auxilie na caça. Alguns a consideram uma espécie de Morpho menelaus, com base nas características morfológicas de adultos, embora ainda seja questionável, pelo fato de Morpho menelaus terem lagartas gregárias até o momento da empupação, enquanto os outros Morpho menelaus são solitárias .
Ocorrência: Peru e Bolívia.
Morpho hecuba
Morpho hecuba (Linnaeus, 1771)
Morpho hecuba (Linnaeus, 1771)
É a maior espécie do gênero, com uma envergadura que pode chegar a 20 cm, embora a média seja de 13 a 15 centímetros. Tem grande suscetibilidade a influências climáticas e tendência a desenvolver formas policromáticas em ambos os sexos. Voam por duas ou três horas, continuamente em busca de uma parceira sexual, o qual segue-se persistentemente por dias inteiros, nos bosques e cursos de água. Seu voo é lento, mas é capaz de voar com rapidez suficiente para iludir um predador. Ela pode adotar um ritmo impetuoso durante as primeiras horas de vôo. Sofrem toques violentos de libélulas, especialmente em lugares pantanosos aparentemente.
Ocorrência: bacia do rio Amazonas e nos vales inundados das Guianas.
Morpho helenor
Morpho helenor (Cramer, 1776)
Morpho helenor (Cramer, 1776)
Contém cerca de 30 subespécies. Tem uma estreita relação com M. achilles são reconhecidos pelas amplas faixas verticais de azul brilhante na face dorsal das asas, e pelos distintos anéis concêntricos branco, preto, amarelo e vermelho que formam as manchas ocelares em nas asas posteriores. O tamanho dessas manchas ocelares varia consideravelmente.
Esta espécie está adaptada para se reproduzir em uma grande variedade de habitats florestais, ocorrendo mais em florestas deciduoas secas ao nível do mar, bem como nas florestas tropicais úmidas e nos Andes, em altitudes de até cerca de 1800m.
Ovo verde com uma faixa avermelhada. A lagarta alimenta-se de MachariumSwartzia,LonchocarpusPterocarpus e Dalbergia (todas as árvores da família Fabaceae). Lagartas também têm glândulas eversíveis no tórax que emitem um odor forte como uma defesa contra predadores. Os machos patrulham longo cursos de água em busca de fêmeas e são mais ativos no período da manhã, e no crepúsculo. Adultos se alimentam de sais minerais na lama.
As fêmeas são vistas com muito menos freqüência, geralmente apenas no final da manhã, quando eles voam ao longo de trilhas, descansam regularmente entre a vegetação. Ambos os sexos fechar suas asas imediatamente após o pouso.
Ocorrência: Brasil, Panamá, El Salvador, Nicarágua, Costa Rica, México, Suriname, Guiana Francesa, Bolívia, Colômbia, Peru, Equador, Venezuela, Honduras, Guatemala, Paraguai, Argentina e Trinidad e Tobago.
Morpho hercules
Morpho hercules (Dalman, 1823)
Morpho hercules (Dalman, 1823)
Envergadura de mais de 12cm na borda externa das asas anteriores. A face dorsal é metálica com a borda externa cinza, adornada com uma linha de pontos brancos. A face dorsa das asas das fêmeas tem a borda escura, com destaque fileira submarginal de pontos brancos, verdes e dourados no abdômen. Tem um voo lento, ondulante de altura baixa ou média, com deslizes padrão e agitação súbita. Voando geralmente em trilhas, áreas sombreadas e úmidas da floresta. Repousa em frutos fermentados que caem no chão, ou excrementos de animais. Ocorrência: Brasil e Paraguai.
Morpho helena
Morpho helena (Staudinger, 1890)
Morpho helena (Staudinger, 1890)
Envergadura de 7 a 10 cm. Muitos pesquisadores as consideram uma subespécie de Morpho rhetenor, sendo que muitas vezes é chamada de Morpho rhetenor helena.
Ocorrência: América do Sul.
Morpho laertes
Morpho laertes (Drury, 1782)
Morpho laertes (Drury, 1782)
Quando foi descrita pela primeira vez em 1782, foi classificada como uma borboleta do gênero Papilio (Família Papilionidae). Hoje, claramente é classificado como uma Morpho (Família Nymphalidae). Atualmente, ela é colocada juntamente com as espécies estreitamente relacionadas Morpho luna, e Morpho titei, que são apenas variações de M. laertes. Porém, ela é considerada um sinônimo de Morpho epistrophus.
Ocorrência: Brasil
Morpho lympharis
Morpho lympharis (Butler, 1873)
Morpho lympharis (Butler, 1873)
Substitui M. portis na região Andina. Tem manchas puntiformes brancas na asa anterior. Na face inferior das asas há três ocelos, um apical e duas intermediárias com formato oval. Alguns pesquisadores considera-na uma subespécies de Morpho sulkowskyi que é uma dentre uma sucessão de sub-espécies espalhadas desde a Colômbia até a Bolívia.
Ocorrência: Peru e Bolívia.
Morpho marcus
Morpho marcus (Schaller , 1785)
Morpho marcus (Schaller , 1785)
Alguns taxonomistas se referem a Morpho marcus pelo seu antigo nome Morpho adonis, que agora é considerada como um sinônimo inválido.Esta espécie é encontrada em meados de elevação florestal, em altitudes entre cerca de 300 e 1000m.
Ocorrência: Brasil, Suriname, Guiana Francesa, Colômbia, Equador e Peru.
Morpho menelaus
Morpho menelaus (Linnaeus, 1758)
A espécie ocorre na zona da mata do Nordeste (Pernambuco e Paraíba) em altitudes de 0 a 600 m. Comum no passado, as populações vêm sendo eliminadas por desmatamento intenso e fragmentação do hábitat, produzindo uma paisagem retalhada onde seus recursos são escassos, incluindo a falta de espaço suficiente para os adultos. É uma borboleta que tem uma envergadura de asa de 15 cm. O adulto se alimenta de frutas fermentadas. Os machos adultos têm cores mais vivas do que as fêmeas.
A asa anterior é côncava na borda exterior. A face dorsal das asas são azuis metálico e na face ventral é castanho, com uma linha e manchas ocelares. As larvas são noturnas, conhecidas para se alimentar de Erythroxylum pulchrum e Machaerium. As lagartas são vermelhas, castanho com manchas brilhantes de verde-limão ou amarelo. As larvas também são canibais. Se alimentam de fluídos corporais de animais mortos, fungos, minerais no solo e frutas podres. Podem ser importantes na dispersão de esporos de fungos. Adultos habitam o dossel da floresta e raramente se aproximam das camadas sub-bosque ou chão da floresta, somente algumas espécies. São observados no chão em clareiras.
Ocorrência: Venezuela, Brasil, Suriname, Guiana, Peru, Panamá, Costa Rica, Colômbia, Equador e Bolivia.
Morpho niepelti
Morpho niepelti (Röber, 1927)
Morpho niepelti (Röber, 1927)
As asas dianteiras ter uma aresta exterior côncava e a borda externa da asa posterior é recortada. A face dorsal das asas é mais ou menos azul, relativamente escura, com uma faixa marginal muito também escuro e uma faixa que corre ao longo de 2/3 da borda costal da asa anterior. A parte de baixo é marrom com uma linha de manchas ocelares.
Ocorrência: espécie endêmica da Colômbia.
Morpho peleides
Morpho peleides (Kollar, 1850)
Morpho peleides (Kollar, 1850)
Popularmente chamada de Imperador. As lagartas de Morpho peleides são canibais ocasionalmente. Estas lagartas são marrom-avermelhadas com manchas de verde brilhante. Apresentam o comportamento chamado de Mobbing.
Mobbing em animais é um comportamento anti-predação que ocorre quando os indivíduos de uma determinada espécie cooperativamente atacar ou assediar um predador, geralmente para proteger sua prole. Uma definição simples de mobbing é um conjunto de indivíduos em torno de um predador potencialmente perigoso. Este comportamento é mais freqüentemente observado em espécies de aves.
Ocorrência: Brasil, México, Colômbia, Venezuela, Paraguai e Trinidad.
Morpho polyphemus
Morpho polyphemus (Westwood, 1850)
Morpho polyphemus (Westwood, 1850)
É uma das poucas Morpho que é branca em vez de azul. Algumas autoridades incluem M. lunaque também é branca, como uma subespécie de M. polyphemus. As asas superiores e inferiores são branco brilhante, com algumas pequenas manchas castanho-claro. Existe uma linha de pequenos ocelos no lado de baixo das asas posteriores.
Ocorrência: Costa Rica ao norte de México. Um vadio raro sudeste do Arizona.
Morpho portis
Morpho portis (Hubner ,1821)
Morpho portis (Hubner ,1821)
Pode ser considerada um pequeno grupo que abrange espécies com sexos semelhantes, ou seja, sem dimorfismo sexual, em contraste com as formas de M. adonis é um grupo com altamente diferenciadas.
Ocorrência: Brasil, Uruguai, Colômbia, Peru, Paraguai e Venezuela.
Morpho rhetenor
Morpho rhetenor (Cramer, 1775)
Espécie difundida e bastante comum encontrados em diversas partes da America do Sul e Central. Há 6 subespécies descritas, das quais 2 ocorrem no Peru (M. r. Cacica e M. r. helena). Na América Central a M. rhetenor é substituída por uma espécie semelhante, a Morpho cypris.
M. rhetenor éaencontrado em floresta de várzea e no sopé da Cordilheira dos Andes oriental, em altitudes entre 0- 1000m. Os ovos são de coloração verde, com um anel avermelhado quebrado em torno da metade superior. Ele é colocado isoladamente no Inga (Mimosaceae). A lagarta completamente crescida é avermelhada com muitas linhas finas cor de oliva e preta, com duas grandes manchas amarelas ovais na parte de trás, e um par de pinos curtos na cauda. Possui uma glândula atrás da cabeça, que exala um odor volátil se a molestada. A crisálida é verde ovóide, lisa e pálida.
Tal como acontece com a maioria das espécies de Morpho, os machos passam as manhãs em patrulhamento buscando fêmeas ao longo dos cursos de córregos e rios. Nas tardes quentes, pode ser encontradas absorvendo a umidade da areia úmida, seiva que escorre de plantas, ou alimentando em frutas podres. Ao alimentar descansam com as asas são fechadas, mas mantém abrindo e fechado-as em resposta à perturbação por formigas e vespas. A ação é tão rápida que é difícil tirar uma fotografia das asas abertas.
Infelizmente esta é uma espécie que é altamente valorizada pelos colecionadores. No Peru e em outros lugares essas criaturas são mortas em números consideráveis ​​para o comércio de souvenir. Espécimes danificadas são utilizados pelo comércio de jóias para confecção de brincos a pesos de papel.
Ocorrência: Brasil, Suriname, Guiana Francesa, Peru, Equador, Colômbia e Venezuela. A fêmea da espécie é maior do que o macho.
Morpho rhodopteron
Morpho rhodopteron (Godman & Salvin, 1880)
Morpho rhodopteron (Godman & Salvin, 1880)
Tem envergadura de 7,5 cm. É a menor espécie do gênero. A espécie tem um tempo médio de desenvolvimento de 199 dias a partir da oviposição até a emergência dos adultos, constituindo um dos ciclos de vida mais longos descrito para qualquer borboleta neotropical. A espécie se alimenta de Chusquea sp. (Poaceae). A duração do ciclo de vida é comparada com a de Morpho sulkowskyi.
Ocorrência: Colômbia.
Morpho richardus
Morpho richardus (Fruhstorfer, 1898)
Morpho richardus (Fruhstorfer, 1898)
Dimorfismo sexual acentuado, sendo o sexo masculino com uma coloração esverdeada, e a fêmea de cor amarelada bronze-verde, tanto acima como abaixo. A asa anterior tem pequenas manchas ocelares de tamanho uniforme, com estreitas íris negras.
Ocorrência: no Brasil, endêmica de Minas Gerais.
Morpho sulkowskyi
Morpho sulkowskyi (Kollar, 1850)
Morpho sulkowskyi (Kollar, 1850)
É uma espécie que vive nos Andes, entre 800 e 3.500 metros. As borboletas M. Sulkowskyi e M. lympharis são os únicos exemplares que chegam a tal altitude.
Ocorrência: Colômbia, Equador e Peru.
Morpho thamyris
Morpho thamyris (C. & R. Felder, 1867)
Morpho thamyris (C. & R. Felder, 1867)
Borboleta Neotropical, pouco se sabe sobre esta espécie.
Encontrada no Paraguai e no Brasil, em Mato Grosso, Santa Catarina, São Paulo e no Rio Grande do Sul.
Morpho theseus
Morpho theseus (Deyrolle, 1860)
Morpho theseus (Deyrolle, 1860)
Aparentemente substitui M. hercules na América Central e na região Andina. É menos constante do que M. hercules, susceptível a variações geográficas e climáticas. Tem as asas pouco mais estreitas do que M. hercules e se distingue de todos os outros Morphinae pelos longos recortes pontiagudos na asa posterior.
Muitos subespécie foram descritas.
Encontrada na Colômbia, Equador, Peru, Panamá, Costa Rica, México, Venezuela, Honduras e Guatemala.
Morpho telemachus
Morpho telemachus (Linnaeus , 1758)
Morpho telemachus (Linnaeus , 1758)
A face dorsal das asas anteriores segue em cinza prateado e azul-esverdeada com uma ampla borda externa marrom preto. Esta é também nas asas posteriores. Há uma faixa preta na metade do rebordo costal da base. A parte de baixo é marrom, coberta por uma linha preta, branca, com manchas ocelares.
Ocorrência: Guiana francesa, Suriname, Venezuela, Equador, Colombia, Bolívia, Brasil (Amazônia, Pará e Pernambuco)
Morpho uraneis
Morpho uraneis (Bates, 1865)
Morpho uraneis (Bates, 1865)
As asas anteriores têm uma borda externa côncava. A face dorsal das asas anteriores segue um padrão de cor azul iridescente escuro. É muito semelhante à Morpho eugenia e tem sido colocado como sua subespécies.
É uma espécie extremamente rara, apenas três tipos parecem ser conhecidas. Seu vôo é mais regular e não tão rápido quanto o de M. adonis.
Ocorrência: Brasil (Amazonas, Pará) e Equador.
Morpho zephyritis
Morpho zephyritis (A. Butler, 1873)
Morpho zephyritis (A. Butler, 1873)
Borboleta Neotropical, pouco se sabe sobre esta espécie.
Encontrada na Bolívia e Peru.
 .
Referências
Penz, C.M. & P.J. DeVries (2002) Phylogenetic analysis of Morpho butterflies (Nymphalidae, Morphinae): Implications for classification and natural history. American Museum Novitates, 3374: 1-33.
Lamas, G. (Ed.). (2004). Atlas of Neotropical Lepidoptera. Checklist: Part 4A. Hesperioidea-Papilionoidea. Gainesville: Association for Tropical Lepidoptera.
Young A.M. 1971. Wing colouration and reflectance in Morpho butterflies as related to reproductive behaviour and escape from avian predators. Ecologia 7, 209–222.
Pinheiro, Carlos E. G. (1996) Palatability and escaping ability in Neotropical butterflies: tests with wild kingbirds (Tyrannus melancholicus, Tyrannidae). Biol. J. Linn. Soc. 59(4): 351–365. HTML abstract
Blandin P. & Purser B. 2013. Evolution and diversification of Neotropical butterflies: Insights from the biogeography and phylogeny of the genus Morpho Fabricius, 1807 (Nymphalidae: Morphinae), with a review of the geodynamics of South America. Tropical Lepidoptera Research, 23(2): 62-85.
May, E. 1924. Relatório das excursões effectuadas nos estados de Rio, Minas Geraes e Bahia. Bol. Mus. Nac. 1(5):367-375.
Vukusic, J.R. Sambles, C.R. Lawrence, and R.J. Wootton (1999). “Quantified interference and diffraction in single Morpho butterfly scales”. Proceedings of the Royal Society B 266 (1427): 1403–11
Fruhstorfer, H., 1913. Family: Morphidae. In A. Seitz (editor), Macrolepidoptera of the world,vol. 5: 333–356. Stuttgart: Alfred Kernen.
Freitas, A. V. L.; Brown Jr., K. S. Pessonia epistrophus nikolajewna (Weber, 1951). In: MACHADO, A. B. M; DRUMMOND, G. M.; PAGLIA, A. P. (eds). Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinção. Volume I. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2008. p. 424.
Juan Fernando Guerra Serrudo and Julieta Ledezma-Arias in their work, Biologia y morfologia de Morpho menelaus godartii (Lepidoptera: Nymphalidae: Morphinae) en el Parque Nacional Cotapata (Bolivia). This work was published in “Ecologia en Bolivia” vol. 43, La Paz 2008.
Devries PJ, Penz CM, Hill RI. Vertical distribution, flight behaviour and evolution of wing morphology in Morpho butterflies. J Anim Ecol. 2010 Sep;79(5):1077-85.
Radislav A. Potyrailo1, Helen Ghiradella2, Alexei Vertiatchikh3, Katharine Dovidenko1, James R. Cournoyer1 & Eric Olson. Morpho butterfly wing scales demonstrate highly selective vapour response. Nature Photonics 1, 123 – 128 (2007)
This entry was posted on fevereiro 12, 2014, in Categoria geralCiências biológicas,Lepidoptera. Bookmark the permalink